sábado, agosto 22, 2009

Morro de tempo. Gasto-o porque não me sirvo dele. Não preciso de ter mais vidas para ler todos os livros, visitar todos os países, experimentar todas as profissões. Desprezo quem se preocupa com estes disparates. Quero morrer mirrado aos 70, perder horas a olhar para o futebol, ver televisão, dormir. Quero dormir cinco vezes por dia, comer e fazer palavras cruzadas o resto do tempo. Aposto no desinteresse, no conformismo, em encolher os ombros, ranger os dentes, fungar e repetir-me. Contar sempre a mesma história, só com entoações diferentes para servir a moral do momento. Ver os malucos do riso e dar gargalhadas pequenas, em convulsões. Baixar a mediania quando falo e ainda opinar soluções para qualquer problema. Olhar para as preocupações dos outros com superioridade, ser chico esperto. Morrer com diabetes, ser enterrado num cemitério tétrico com direito a extrema-unção, campa cinzenta e duas datas. Ser esquecido um segundo depois das pessoas saírem do cemitério. Nunca pecar.

2 comentários:

su disse...

Curioso...nos 2 dias anteriores à escrita deste posto, comprei um relógio. Não, porque tenha uma obsessão relativa ao 'meu tempo', mas porque pretendo quero gastá-lo bem gasto!

:) lol, após uma semana internada em casa com faringite, nem imaginas como soube ler que há alguém que aposta no conformismo e no desinteresse! Long Live o 'Dolce Fare Niente'!

Field Commander disse...

Já te disse que te amo desesperadamente, maninho? Que não somos obrigados a repetir os movimentos humanos da humanidade? Que me obrigas a viver mais tempo do que devo só para te roubar o chocolate que te fará rasgar feridas nas pernas diabéticas? A menos que inventem mais um medicamento para a autocomplacência. Aposto nisso. :)